SERMÕES EM PORTUGUÊS - Edição Imprensa Metodista, 52 sermões SERMÕES EM PORTUGUÊS - Edição Editeo, 141 sermões SERMÕES EM INGLÊS - Edição Jackson, 141 sermões Busca A- A A+ sim não

QUESTIONÁRIO SOBRE O SERMÃO 3

P. 1. Como se divide o Sermão?
P. 2. (I. 1). Que representa o sono?
P. 3. (I. 2). Que se diz do estado natural?
P. 4. (I. 3). Que se diz da segurança carnal?
P. 5. (I. 4). Pode o pecador estar contente em seu pecado?
P. 6. (I. 5). Que se diz dos não abertamente viciosos?
P. 7. (I. 6). Que se diz do homem justo a seus próprios olhos?
P. 8. (I. 7). Como são esses tais apreciados por Deus?
P. 9. (I. 8). Que se diz dos que se acham mortos em pecados e delitos?
P. 10. (I. 9). Que se diz do Segundo Adão?
P. 11. (I. 10). Que se diz dos que não têm percepção das coisas espirituais?
P. 12. (I. 11). Que é a vida da alma?
P. 13. (I. 12). Que se diz do testemunho do Espírito?
P. 14. (II. 1,2). Como se reforça a exortação?
P. 15. (II. 3). Com quem se compara à alma despreocupa?
P. 16. (II. 3, 4, 5, 6, 7). Menciona as figuras de linguagem empregadas para descrever a condição da alma ainda não despertada.
P. 17. (II. 8). Que se quer dizer pela expressão — “participante da natureza divina”?
P. 18. (II. 9). Se essas perguntas ofendem, qual é aconclusão a tirar?
P. 19. (II. 10). Que, é religião, segundo ali se define?
P. 20. (II. 11). Que se quer dizer quando se reputa de nenhum valor a circuncisão e a incircuncisão?— 76/77 —
R. Quer-se afirmar que as formas exteriores não são essenciais, enquanto que a mudança de coração e a piedade interior são necessárias a todo verdadeiro cristão.
P. 21. (II. 12). Quais são os característicos do pecador despertado?
P. 22. (III. 1,2). Que consideração encorajadora se faz?
P. 23. (III. 3). Qual é a nossa vocação?
P. 24. (III. 4). Qual é o grande dom de Deus?
P. 25. (III. 5). De que fato todos podem ser testemunhas vivas?
P. 26. (III. 6). Qual é o verdadeiro cristianismo?
P. 27. (III. 7). Qual é o espírito do Anticristo?
P. 28. (III. 8). Que fazem os que negão a doutrina ensinada pelo pregador?
P. 29. (III. 9). A que Igreja o pregador se refere aí?
R. A Igreja da Inglaterra.
P. 30. (III. 10). Que diz ele da iniqüidade e apostasia dominantes nessa época?
P. 31. (III. 11). Que, diz dos que não cometem abominações mais grosseiras?
P. 32. (III. 12). Que diz do auditório perante o qual prega?
P. 33. (III. 13). Que se quer dizer com a remoção do candeeiro de seu lugar?
R. Retirada dos privilégios de que abusaram os crentes e entrega da obra de Deus a outros que a conduzam.
P. 34. (III. 14). Que apelo faz ele?
P. 35. (III. 15, 16). Como se conclui o Sermão?
P. 36. Não devemos nós, como ministros chamados a trabalhar pela salvação do mundo, examinar-nos a nós mesmos, pelos testes dados neste Sermão? Estamos plenamente despertados para sentir nossa própria fraqueza, cônscios de que todo nosso auxilio deve vir de Deus? O padrão de vida cristã que apresentamos à vista dos homens não nos pode condenar; assim, com toda diligência, proclamemos a verdade de Deus em amor e humildade, tornando-nos “epístolas vivas, conhecidas e lidas por todos os homens”.

— 77/78 — voltar